The wild hidden Life Uma caminhada de aprendizagens

By: Cândida Marreiros


“WATER IS A HUMAN RIGHT. TO NO ONE SHOULD BE DENIED ITS ACCESS. ” ANTÓNIO GUTERRES UNITED NATIONS SECRETARY-GENERAL


Apesar dos diversos apelos feitos, de toda a evolução tecnológica e todo o conhecimento adquirido, é ainda longo o caminho para que as sociedades ajam em prol da preservação dos recursos naturais, com especial enfoque nos recursos hídricos. Depende de cada um de nós a superação dos desafios com que já nos deparamos atualmente.

A poluição, o desperdício, o uso irracional dos recursos hídricos, armazenamento e abastecimento de água, constituem temáticas sobre as quais urge uma reflexão cuidada no sentido de serem recuperados os desafios que já se desenham num horizonte próximo. Em termos de procura por setores de atividade, a agricultura é claramente o maior utilizador de água em Portugal, consumindo 87%; o consumo humano situa-se nos 8% e a indústria nos 5%.

Mas é também na agricultura que se verificam os maiores desperdícios (88% do total de perdas), sendo o abastecimento para consumo humano e a indústria responsáveis respetivamente por 8% e 4% das restantes perdas, pelo que é extremamente necessário encontrar uma estratégia de combate ao desperdício, de forma transversal.

Importa assim olhar para estes setores de forma diferente, afinal tanto a agricultura, como a indústria dependem da água para o desenvolvimento da sua atividade e para a sua sobrevivência, mas todos nós necessitamos dos produtos oriundos destes setores de atividade, logo, é necessário encarar estes setores como parte da solução e não como parte do problema.

Uma coisa é certa, os recursos hídricos, constituem um insumo indispensável, pelo que se impõe a definição de uma estratégia gestionária assente em dois vetores. Um dos vetores é o financiamento da água, o outro a utilização da água. Sem água, não há vida, não há comida, não há desenvolvimento.




Despite the various calls made, all the technological developments and all the knowledge acquired, there is still a long way for societies to act in favor of the preservation of natural resources, with a special focus on water resources.


It depends on each one of us to overcome the challenges that we are currently facing.

Pollution, waste, irrational use of water resources, storage and water supply, are themes that require careful reflection in order to recover the challenges that are already taking place in the near future. In terms of demand for sectors of activity, agriculture is clearly the biggest user of water in Portugal, consuming 87%; human consumption stands at 8% and industry at 5%.

But it is also in agriculture that the greatest waste occurs (88% of the total losses), with supply for human consumption and industry responsible respectively for 8% and 4% of the remaining losses, so it is extremely necessary to find a strategy for combating waste, in a transversal way.

It is important to look at these sectors differently, after all, both agriculture and industry depend on water for the development of their activity and for their survival, but we all need the products from these sectors of activity, so it is necessary to face these sectors as part of the solution and not as part of the problem.

One thing is certain, water resources are an indispensable input, imposes the definition of a management strategy based on two vectors. One of the vectors is the financing of water, the other the use of water. Without water, there is no life, there is no food, there is no development.


“A ÁGUA É UM DIREITO HUMANO. NINGUÉM DEVE TER ESSE ACESSO NEGADO.” ANTÓNIO GUTERRES SECRETÁRIO-GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS


INPortugal Business People Magazine, Edition 5


0 visualização
0CARRINHO
Quem somos